Por que Soul, animação Disney, pode ser considerada uma das mais grandiosas obras dos Novos Tempos?

Atualizado: Fev 25



Uma obra que Comunica com Alma.


Após as 1h40min nos maravilhando com o filme, ao final dos créditos é possível ler um agradecimento muito especial das pessoas envolvidas em sua criação: ''para os nossos mestres''. É fato que Soul, a animação lançada pela Disney Pixar no dia 25 de dezembro de 2020, manifesta mensagens de outros mundos.


O enredo principal, conforme explicado no trailer oficial, conta a história de um músico e professor negro chamado Joe Gardner que sonha em traçar uma carreira com o estilo musical jazz e finalmente, tem a chance da sua vida em decolar neste ramo. Porém, um acidente faz com que sua alma seja separada de seu corpo. A partir daí, recebemos o convite a nos adentrarmos em todas as provocações, lições e questões sociais e existenciais, que fazem a magia da mensagem com essência acontecer.


A tecnologia torna a animação impecável e extremamente próxima da realidade. O que se faz real também, são todas as críticas e mensagens que não passam despercebidas ao nosso olhar - já que também acreditamos no imenso potencial espiritual para um despertar rumo ao desenvolvimento social e vice versa.


>> A partir daqui, vamos trazer alguns personagens e situações com intuito de analisar questões espirituais e sociais retratadas na obra, por ser esta a intenção, achamos pertinente avisar que os trechos à seguir podem ser interpretados como pequenos spoilers.<<


O protagonismo negro, pela primeira vez retratado pelos estúdios Pixar, traz a representatividade nos personagens por si só, mas de forma bastante sutil e inteligente, o filme traz alguns pontos observados em meio a cidade de Nova Iorque com respeito ao racismo. Um dos exemplos é quando o protagonista cita que ''isso já seria difícil em condições normais'', ao tentar tomar um táxi.


Não existem coincidências também ao exploramos a personagem da alma 22, que faz de tudo para fugir da experiência humana e nos dá verdadeiras aulas sobre a jornada que chamamos de vida na Terra. O número 22, para a espiritualidade, além de ser uma sequência de números repetidos, traz uma poderosa mensagem em respeito ao caminhar espiritual e à prática de tudo o que vem aprendendo ao longo de sua jornada de despertar. Tem relação ao fortalecimento de seus valores morais (conduta) e da formação de novos hábitos, práticas, costumes (personalidade divina – Eu Superior) em prol de uma vida mais harmônica, contribuindo para a humanidade com valores mais próximos dos valores divinos, resultado da prática diária e constante dos princípios que regem as leis de amor ao próximo, integridade, bondade e busca por propósito.


O gato também é um animal com uma espiritualidade nata e bem desenvolvida, e não a toa foi escolhido para adentrar ao time de personagens. No Antigo Egito, os gatos eram considerados animais sagrados. Eles representavam a Deusa Bastet, símbolo da luz, da energia e do calor. Ela simbolizava também a luta, a fertilização da terra, a cura dos homens e a condução das almas dos mortos, por isso era comum encontrar estatuetas dessas deusas nos leitos de morte. Os gatos também são os companheiros das bruxas em grande parte dos contos de fadas, hoje sabemos que estes felinos possuem uma espiritualidade nata e bem desenvolvida, já há evidências suficientes, com seus poderes de cura eles podem ser considerados como nossos terapeutas holísticos.


O filme também traz alusões aos fractais da natureza (folha), a práticas semelhantes às xamânicas (círculo e rituais com períspiritos), às escolas da alma e ao potencial existente no estado meditativo, principalmente ao retratar o personagem Bicho Grilo e seus companheiros com o poder de curar as almas perdidas utilizando o princípio base que é ilustrado em seu barco: o da paz e do amor.


Fica bastante esclarecida a crítica social feita para a nossa sociedade capitalista, pós-moderna e pós-industrial. Quando os humanos exercem a força de trabalho e esta não está alinhada com a missão, ou não é realizada de maneira saudável, suas energias são sugadas e as pessoas adoecem a nível de alma. Estas almas são retratadas como perdidas, obsessoras e sem vida. Trata-se de uma arte que orienta a nossa realidade, já que pesquisas mostram o grande aumento de doenças mentais como ansiedade, síndrome do pânico e depressão, principalmente em áreas urbanas.


A grandiosidade de Soul está na simplicidade de sua mensagem profundamente necessária em tempos em que sobrevivemos a uma crise mundial sanitária, econômica, ambiental e social. Um momento em que é necessário olharmos para dentro e nos curarmos. A Disney Pixar acerta em cheio ao trazer em pauta a espiritualidade de forma tão genial e pura. Sabemos que sua próxima obra trará os seres elementais, com a obra Raya e o último dragão.


As mensagens e sinais dos Novos Tempos estão adentrando os nossos lares de inúmeras formas. Basta nos abrirmos e nos permitirmos para que elas possam cumprir o seu papel em nos preparamos para a mudança que tanto queremos.


*Fontes: DisneyPlus, Sinais da Nova Era, Wemystic.com.br,

34 visualizações1 comentário